O Animal Cordial

Nunca fui muito do cinema nacional e isso por ignorância pura. Eu achava que no Brasil só tínhamos comédias bestas e dramas sem sustentação. De uns anos para cá tive acesso a filmes excelentes, como os da Ana Carolina e desde então estou sempre em busca de filmes alternativos. Ano passado escrevi sobre duas diretoras brasileiras que haviam se tornado preferidas, Juliana Rojas e Anita Rocha da Silveira. Hoje acrescento uma terceira à lista, Gabriela Amaral Almeida.

Meu primeiro contato com a diretora se deu em 2016, quando vi alguns de seus curtas para nosso especial de Dia das Bruxas do Feito Por Elas. Gostei demais deles, então estava mais do que ansiosa para ver seu primeiro longa, O Animal Cordial. Depois de alguns perrengues, ontem finalmente consegui vê-lo no cinema. Vi o filme numa sessão bem cedo, comecinho da tarde, e passei o resto do dia com ele na cabeça. Posso dizer, sem dúvida alguma, de que ele é meu preferido do ano. E olha que estamos falando de um ano que teve Hereditário.

Rojas, Silveira e Almeida têm algo em comum para mim: coragem. Elas ousam, falam de temas pouco comuns em nosso cinema, subvertem o próprio gênero de horror e usam as influências a favor de si mesmas.

O Animal Cordial acontece num espaço fechado, numa única noite. É um restaurante, os funcionários querem ir embora, eles têm medo de perder o último metrô. Três clientes esperam para serem servidos, a cozinha está prestes a fechar. Acontece um assalto e aquelas pessoas ficam confinadas naquele ambiente e a história se desenrola.

O-Animal-Cordial-_CA

Aqui uma pausa para falar do elenco. Assim como quase todo brasileiro nascido nos anos 80, eu cresci vendo novelas e Murilo Benício era um rosto comum. Vê-lo nesse filme foi uma grande surpresa. Foi mais ou menos a mesma sensação de quando vi Colin Farrell num filme da Liv Ullmann. Inácio, seu personagem, é o dono do restaurante. Sempre cordial com os clientes, paciente, mostra alguns sinais de descontrole nas primeiras cenas, mas um descontrole organizado, sob medida.

Camila Morgado aparece pouco, mas traz uma fala hipnotizante. Mulher rica, quer ter suas vontades atendidas, ao mesmo tempo que é submissa ao marido, o covarde que fala alto. Já Luciana Paes mostra uma de suas melhores atuações, no papel de Sara, funcionária do restaurante, aparentemente submissa, envolvida na psicopatia de seu patrão Inácio, com necessidade de ser aceita.

Irandhir Santos é um ator que sempre me surpreende. Aqui não poderia ser diferente com seu personagem Djair. Sua existência ali naquele cenário já mostra uma clara discussão. Dois bandidos e um policial aposentado e solitário completam o cenário.

O clima de tensão se inicia na primeira cena. É um daqueles filmes que você assiste sabendo que vai dar alguma merda. E dá. Ajudado por uma trilha sonora impecável, a tensão se arrasta até o fim.

Uma coisa que noto nos filmes dirigidos por mulheres é a relação com o grotesco. Elas trabalham de uma forma perfeitamente plausível, não há a necessidade de chocar apenas por chocar. O vômito, o suor e o sangue estão lá, elas não viram os olhos, mas também não criam algo fantasioso. Neste há uma cena de sexo banhado em sangue que não causa aquela risada nervosa incômoda, nem nojo, apenas fascinação. É o ser humano em seu estado mais animalesco.

894d3e_0397b0adaff14da5889ad2dcc6506ebc_mv2

Como eu disse, Gabriela é das que usam as referências a seu favor, todas estão ali, mas com a sua própria assinatura. Pensei muito em três diretoras enquanto via O Animal Cordial: Claire Denis e seu Trouble Every Day, Julia Ducournau e seu Raw, e minha amada Marina de Van com seu Dans ma Peau. Inclusive, nessa entrevista para o Feito por Elas, Gabriela recomenda o filme da de Van.

O que eu vi nesse filme eu nunca tinha visto no cinema brasileiro. Nunca tinha visto os corpos desta forma, nem o sangue, nem a crueldade. E o mais importante, Gabriela não tenta dar explicações aos fatos. As ações e os fatos estão lá, nós expectadores temos que lidar com eles. Propositalmente não estou falando quais seriam esses acontecimentos, é melhor ver esse filme sem saber nada do desenrolar.

Não sou crítica de cinema, não quero escrever pontos positivos do roteiro ou apontar erros de sequência. Cinema para mim sempre foi feito de sensações, e O Animal Cordial me causou diversas. Animalesco é o adjetivo que não sai da minha cabeça e esse filme ficou em mim.

Advertisements

One thought on “O Animal Cordial

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s